Netflix adiciona ferramenta de ajuste de velocidade em seus conteúdos

Os fãs pediram, e a Netflix realizou. A plataforma de streaming confirmou na última semana que a ferramenta de ajuste de velocidade será implantada de vez no serviço. O recurso vai possibilitar os usuários a assistir filmes e séries em velocidade de 0.5x até 1.5x. Essa possibilidade já existe, por exemplo, para podcasts e vídeos do YouTube

O recurso vinha sendo testado desde o ano passado para um grupo pequeno de usuários. A partir de agora, a novidade é que o recurso será liberado para todos. De acordo com a Netflix, o conteúdo vai começar na velocidade padrão e pode ser alterada a qualquer momento.

Caso o usuário saia e volte para esse mesmo conteúdo, a velocidade retorna ao padrão. Com isso, será preciso ajustar novamente.  

Há tempos, os usuários pediam essa ferramenta para conseguir assistir ainda mais séries e filmes. Podendo escolher velocidades 25% ou 50% mais rápido (ou mais lento), usuários vão conseguir aproveitar ainda mais conteúdos e escolher a velocidade que desejar. 

Além da gestão de tempo, o recurso também surge para acessibilidade. Afinal, conseguir alterar a velocidade, permite desacelerar trechos para ler as legendas com mais atenção. E também pode ser um recurso usado por deficientes visuais, que já são acostumados a reproduzir o áudio em velocidades muito maiores. 

Quanto a isso, caso você esteja se questionando sobre o som. Já que, quanto mais rápido, mais aguda fica a voz – e mais grave quando mais lento – a Netflix acalmou os mais ansiosos. Isso porque a plataforma vai fazer correções de tom para que as vozes não sofram alterações.  

Usuários Android dos Estados Unidos já podem aproveitar o recurso desde o último sábado (1). E deve chegar a todos os assinantes durante as próximas semanas. No entanto, ainda não há previsão para a função ser testada nos aplicativos das televisões e nem há previsão de quando chegará ao Brasil. 

Netflix está destruindo as obras? 

O lançamento da função não só revoltou alguns usuários, como também grandes nomes da indústria cinematográfica. O mecanismo gerou polêmica e fez atores, diretores e produtores criticarem a atitude da plataforma, alegando ser um desrespeito com os profissionais.  

“É um duro golpe na já achacada experiência do cinema”, manifestou o diretor Brad Bird (Os Incríveis) nas redes sociais. Outro que não curtiu a decisão, foi o criador da série Love – original Netflix – Judd Apatow. O cineasta descreveu como “ridícula e ofensiva”. E ainda mandou um recado à Netflix: “Não me faça ter que ligar para cada diretor e criador de séries na Terra para lutar com você sobre isso (…) Nós te damos coisas legais. Deixe elas da maneira que foram criadas para serem vistas”.

Quem também é um rosto conhecido na Netflix e não aprovou, foi o ator Aaron Paul, do filme El Camino. Ele alegou em seu Twitter que a iniciativa da Netflix é uma destruição completa da arte. 

O ponto em questão é o fato de uma obra ser produzida com uma visão própria. O uso de câmera x, junto com som y é intencional para a transmissão de uma mensagem e construção de universo. Além do fato de cada obra ter o seu ritmo próprio para a exibição de uma história, com elementos técnicos desenvolvidos para apresentação de personagem, construção narrativa e envolvimento com a trama. 

Para cineastas, uma ferramenta de ajuste de velocidade quebra toda essa construção, que é pensada e desenvolvida com cuidado. Outro forte aliado ao time contrário a função é o diretor Christopher Nolan, que sempre preferiu que seus filmes fossem lançados no cinema, para, justamente, não dar ao espectador o controle de luz, volume do som e a possibilidade de pausa. 

Em resposta, a vice-presidente da Netflix, Keela Robinson, afirmou que esse é um dos motivos da função ainda não ter sido testadas nas TVs. A própria explicou ouvir muito a opinião dos usuários. Por isso, a introdução do mecanismo para outros aparelhos vai depender do feedback.

FONTES
1 2 3

Compartilhe:
Artigos relacionados