Amazon Music se movimenta para lançar podcasts na plataforma

Na última segunda-feira (10), a Amazon divulgou seus planos que mostram que a Amazon Music está se preparando para lançar um suporte para podcasts na plataforma. Os planos foram encaminhados em massa para produtores de conteúdo de podcast, incluindo jornalistas e organizações de mídia que cobrem a companhia. No entanto, as mensagens eram consideradas “confidenciais”, apesar de não seguir a prática padrão de confinabilidade.  

Ainda assim, nas mensagens, a empresa conta que, em breve, vai permitir que usuários assinem, baixem e transmitam podcasts gratuitamente. O portal também revelou que a Amazon pretende lançar o suporte de podcasts no Audible, o serviço de audiobooks da companhia. O objetivo da empresa com a ação é conquistar ainda mais usuários e afastá-los da concorrência. 

Assinado pelo Time de Podcasts do Amazon Music, o conteúdo dos e-mails apresenta que os podcasts ficarão disponíveis para todos os 55 milhões de usuários. A empresa também enviou uma lista de termos que os produtores de podcasts deveriam concordar. Entre os termos, estava um que os programas não poderiam incluir “comentários que depreciam ou são direcionados contra a Amazon e seus serviços”. 

O movimento da Amazon Music reforça a atual tendência das plataformas de streaming musicais de incorporar podcasts nos catálogos. O objetivo é criar uma forma de atrair e reter assinantes que não têm o hábito da rotina, e passar a incentivar o consumo da mídia de maneira mais casual. 

No entanto, ainda não há previsão de data para essa ingressão na plataforma. Única confirmação é que os conteúdos de podcast estarão disponíveis tanto para os assinantes padrão do Amazon Music quanto premium. 

Amazon Music e sua censura 

Ainda que a notícia da entrada de podcasts na plataforma seja algo positivo, os termos da empresa aos criadores chamam atenção. Principalmente o termo que exige que os conteúdos não falem mal da empresa. 

Produtores de podcast não olharam isso com bons olhos, principalmente aqueles que comentam regularmente sobre a empresa. 

Isso coloca em questão o futuro da credibilidade dos programas. O podcaster Corey Quinn publicou no seu Twitter (@QuinnyPig) sobre o ocorrido e afirmou que “por ser um podcast de entretenimento, não pode consentir com isso [o termo]”. E ainda colocou em questão sobre como seria para os podcasts de notícias reais. 

O pedido da Amazon Music também coloca um questionamento sobre uma censura imposta pela empresa. Afinal, a internet oferece o direito de liberdade de expressão (desde que não criminosas), o que entra em conflito com a proposta da empresa.

Com isso, a Amazon gera um conflito com os próprios criadores de conteúdo, que podem se sentir receosos na hora de publicar um programa. E chegar até desistir da plataforma, estragando todo o planejamento da empresa. 

FONTES
1 2

Compartilhe:
Artigos relacionados