Um produto bom não é suficiente

Produto bom não é suficiente: Você e os seus sócios tiveram uma ideia genial, recrutaram uma equipe excelente e desenvolveram um grande produto.

Testaram o MVP (mínimo produto viável), concluíram que tem um grande negócio nas mãos, e conseguiram uma pequena escala usando recursos próprios. E o sucesso se confirmou. 

Aplicando muito bem os recursos dos próprios sócios vocês conseguiram multiplicar a base inicial de clientes de forma exponencial, e perceberam que precisam de mais dinheiro para manter o ritmo de crescimento.

Ou seja, chegou a hora do funding

Nesse ponto muitos investidores anjo e alguns fundo de VC (Venture Capital) já ouviram falar de vocês, os fundadores já fizeram palestras em alguns eventos sobre startups, participaram de diversas lives.

E vocês tinham certeza que o caminho do sucesso já estava pavimentado. 

Um importante fundo de VC agendou uma reunião, vocês conversaram, discutiram contratos, e decidiram que seria a hora de começar uma Due Diligence. Tanto operacional quanto financeira e legal. 

A hora da verdade 

A diligência operacional foi um sucesso! O pessoal do fundo ficou impressionado com a qualidade dos seus engenheiros, a excelência no desenvolvimento, o uso das metodologias mais modernas de gestão de desenvolvedores. 

No entanto, um produto não é suficiente. E isso ficou claro pelo catastrófico resultado da diligência financeira. 

Pra ser mais preciso, a catástrofe foi o resultado da diligência tributária, trabalhista, contábil e financeira. 

Os fundadores não entenderam nada quando o fundo disse que o aporte precisaria ser cancelado. E ouviram pela primeira vez a palavra deal break. Um duro aprendizado. 

Deal break é o termo que se usa em diligências quando um acordo que estava em curso é cancelado. 

Neste exemplo o deal break foi o resultado de muitos problemas, entre eles a contratação irregular de funcionários, erro no cálculo e pagamento de tributos, acordos de pagamentos baseado em ações para funcionários em desacordo com as regras contábeis, números 

contábeis que não tinham nenhuma relação com os números gerenciais apresentados para o pessoal do fundo no início das conversas. Entre outros. 

Produto bom não é suficiente: O que deu errado? 

O produto que vocês desenvolveram continua excelente, mas a empresa, que é o que representa a formalização da estrutura que criou, e mantém, este produto, não é nada boa. 

Esta empresa, com todos esses problemas, não cabe dentro de um fundo. Não esqueça que Fundos de Venture Capital ou Private Equity, têm muitas exigências de governança corporativa, e eles são obrigados a seguir essas regras por lei. 

Se você é empresário ou tem uma startup, talvez você acredite que ter aquele escritório de contabilidade que cobra pouco é suficiente para cuidar dos seus números. Ou já usou o argumento de que “nas fases iniciais de um negócio não é necessário ter alguém bom em finanças”, dizendo que isso é um custo desnecessário. 

Não temos dúvidas que o produto é o mais importante para uma startup, sem um bom produto não existe um bom negócio. No entanto é muito importante que todo empresário saiba que um bom produto não é suficiente. 

Seus números contábeis e financeiros são parte do seu produto. Seu balancete é onde a qualidade dos seu produto se materializa. Quando um investidor não consegue “ler” nos seus números a qualidade do seu produto, toda a boa impressão inicial se transforma em dúvida.

E na dúvida ninguém investe. 

Harmonia entre produto e contabilidade 

Como em tudo na vida, também nas startups o equilíbrio é fundamental. Equilíbrio entre a atenção que você dá para o seu produto e para os seus números. Se você se dedicar apenas para o seu produto, quando precisar mostrar os números para um investidor não terá sucesso. E se não se dedicar para o seu produto não haverá números para serem apresentados. 

Lembre-se sempre que o seu produto é o ticket para entrar num jogo, no qual ganha quem tiver os melhores números. Procure consultores que possam preparar sua startup para uma transação tenha alguém na sua equipe que conheça finanças, e busque o equilíbrio entre um produto excelente e números altamente confiáveis e auditáveis.

Produto bom não é suficiente.

Sobre o Convidado

Mini bio: Dealsupport.biz é uma consultoria criada por auditores e consultores com vasta experiência em M&A e transações societárias que tem como propósito preparar empresas para receber aportes.

Capa Pixabay

Quero Escrever um Guest Post

Compartilhe:

Talita Lombardi

Talita Lombardi é Fundadora e CEO da PrestigyME, agência de conteúdo & influenciadores. Possui mais de 17 anos de experiência no mercado B2B e é fundadora das marcas Menina Executiva e StartupsStars. Também escreveu o ebook de vendas SalesThinkng e o livro infanto-juvenil Jessica Rainbow. Talita é considerada referência nas áreas de empreendedorismo, vendas e startups no país.

Artigos relacionados