Razer lança máscaras faciais personalizadas para período de pandemia

Classificada como a marca líder em estilo de vida gamer, a Razer iniciou um novo projeto durante a situação atual.

A inauguração da linha de produção, em Singapura, aconteceu semana passada. Especificamente, 24 dias depois do anúncio do projeto e seis dias antes da previsão do CEO da empresa, Min-Liang Tan

A necessidade da produção e distribuição de máscaras veio pela falta do utensílio nas regiões. Como também a falta de uma fabricação confiável no mercado.

Desde o início da pandemia, a demanda pelas máscaras aumentou, já que governantes do mundo todo vêm orientando e até obrigando o uso do acessório ao sair de casa (caso haja necessidade). 

De acordo com informações da empresa, a atual capacidade mensal de fabricação é de, aproximadamente, cinco milhões de unidades. Mas esse número ainda pode ser ampliado. Toda essa produção é feita em salas controladas, com certificação de um ambiente com os requisitos médicos necessários e alinhadas com os padrões locais e internacionais de fabricação. 

A produção tem apoio de empresas como Frasers Property, JustCo e PBA Group, que doaram US$ 50 mil para a produção inicial. 

O 2020 da Razer pelo bem da saúde 

Durante os últimos meses, a Razer vem mostrando contribuições na batalha contra o Covid-19. A empresa já realizou doações de até um milhão de máscaras, enviadas para o Canadá, Alemanha, Hong Kong, Malásia, Filipinas, Singapura e Estados Unidos. 

Não só isso. Recentemente, a Razer lançou um fundo de auxílio de US$ 50 milhões para empresas parceiras. A ideia é que, ao longo do ano, por meio da Razer Gold, Razer Fintech e zVentures, esse valor seja dividido em contribuições financeiras, suporte ao fluxo de caixa e investimentos. 

A iniciativa também dá às empresas parceiras acesso ao ecossistema exclusivo de hardware, software e serviços da Razer. Atualmente, a companhia conta com mais de 80 milhões de usuários registrados em todo mundo e cria um impacto positivo nos negócios por meio de alianças e parcerias. 

LEIA TAMBÉM: MERCADO DE GAMES: QUAL O FUTURO PÓS-CORONAVÍRUS?

FONTE

Compartilhe:
Artigos relacionados