Microsoft testa semana de trabalho de 4 dias, e produtividade aumenta 40%

Semana de trabalho de 4 dias: Qual é o segredo da produtividade? Muitas empresas investem milhões para tentar descobrir o resultado. Quem parece ter encontrado uma resposta interessante foi a Microsoft.

A empresa, uma das maiores desenvolvedoras de tecnologia do planeta, realizou um experimento interessante em um dos países mais improváveis para tal teste: o Japão.

A Terra do Sol Nascente é conhecida por ter uma cultura de trabalho muito intensa, com tradições como o fato de que um estagiário não pode sair do seu posto até que alguém superior a ele tenha ido embora.

Semana de trabalho de 4 dias

O teste realizado pela Microsoft vai na contra-mão de tudo que a cultura de trabalho japonesa prega. Durante um mês, a empresa deu a sexta-feira de folga para os trabalhadores.

Foram 5 semanas consecutivas com apenas 4 dias de trabalho: segunda, terça, quarta e quinta. Os fins de semana foram triplos: sexta, sábado e domingo.

Outra mudança realizada pela Microsoft foi de limitar as reuniões de equipes em 30 minutos no máximo, além de usar mais a ferramenta Microsoft Teams, que permite que os funcionários façam reuniões em chamadas de vídeo.

O resultado foi surpreendentemente na contramão do que se esperava: em vez de uma semana mais curta significar queda na produtividade da empresa, o que se constatou foi o oposto.

O experimento resultou em um impulso de produtividade na Microsoft.

Mais dados do experimento

Segundo a empresa, o número de vendas por funcionário no período de testes foi de 40% a mais do que o mesmo período do ano anterior.

Além disso, houve uma economia significativa nos custos da companhia: foram impressas 59% menos páginas, o consumo de energia elétrica diminuiu 23% e 94% dos funcionários participantes ficaram satisfeitos com o programa.

O teste da Microsoft vem inserido em um contexto de muitas mudanças trabalhistas no Japão.

O país passa por uma transformação e busca dar mais opções de vida aos seus cidadãos, criando maior flexibilidade nos empregos por via de reformas trabalhistas.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, aprovou leis que limitam o número de horas extras no país e aumentou a renda dos trabalhadores de meio período ou temporários.

No entanto, o Japão não é o único país que vem passando por mudanças trabalhistas. A tendência em busca de mais produtividade e felicidade para os trabalhadores é global.

Além do Japão

O conceito da semana de trabalho de 4 dias vem sendo trabalhado em outros países também, embora apenas em situações de testes. No momento, o resultado vem sendo positivo como no caso da Microsoft.

Nos EUA, por exemplo, a rede de hambúrgueres Shake Shack anunciou que está fazendo o mesmo experimento feito pela Microsoft. A rede é uma das maiores do país e oferece uma boa base para testar a ideia e controlar os resultados.

No Reino Unido, os maiores sindicatos da região estão apoiando e fazendo campanha pela semana de trabalho de 4 dias. O Partido Trabalhista do Reino Unido encomendou um estudo sobre a ideia, que poderá entrar na pauta legislativa do país em breve.

Já na Nova Zelândia, uma empresa chamada Perpetual Guardian, que trabalha com consultoria de investimentos financeiros e fundos multimercados, realizou um teste de 8 semanas com todos os seus funcionários.

O objetivo era que todos trabalhassem apenas 30 horas por semana (o equivalente a 4 dias de 7,5 horas), mas que recebessem por 37,5 horas (o equivalente a 5 dias de 7,5 horas).

Ou seja: a empresa realizou um teste em que os funcionários trabalhariam 4 dias e receberiam 5, mas dividido em horas. O resultado foi muito positivo e, desde então, a empresa fez com que a mudança fosse permanente, mas opcional:

Cada funcionário escolhe se quer ou não mudar.

Mudança é bom para todos?

No entanto, a mudança não parece ser positiva para todos. Empresas menores que realizaram os testes notaram que, de fato, a produtividade dos trabalhadores aumenta.

Entretanto, elas também notaram que há maior pressão nos dias de trabalho.

Nos EUA, apesar dos testes feitos por grandes empresas, nenhum dos candidatos à Presidência em 2020, tanto do Partido Democrata, como do Partido Republicano (o atual Presidente Donald Trump), se comprometeram com a ideia da semana de trabalho de 4 dias.

Depois do teste bem-sucedido, a Microsoft anunciou novos planos para sua pesquisa de produtividade.

A empresa não pretende reproduzir o teste, mas incentivará o trabalho mais flexível, reuniões mais curtas e ferramentas de colaboração para aumentar a produtividade dos seus funcionários.

Enquanto isso, a empresa investirá em medidas que aumentem a motivação dos colaboradores.

Uma das medidas será a valorização das férias pagas no fim de ano, além outros recursos motivacionais para equipes como plano de carreira, palestra para empresas, reformulação na arquitetura da companhia e um programa de atenção ao trabalhador.

Seja como for, é fato que podemos estar encarando um período de mudanças na prática de laboral no mundo todo, talvez um momento equivalente ao começo do Século XX, quando Henry Ford “criou” a semana de 5 dias de trabalho.

Guest Post enviado por: Diego Andrade

Quero Escrever um Guest Post

Compartilhe:

Talita Lombardi

Talita Lombardi é Fundadora e CEO da PrestigyME, agência de conteúdo & influenciadores. Possui mais de 17 anos de experiência no mercado B2B e é fundadora das marcas Menina Executiva e StartupsStars. Também escreveu o ebook de vendas SalesThinkng e o livro infanto-juvenil Jessica Rainbow. Talita é considerada referência nas áreas de empreendedorismo, vendas e startups no país.

Artigos relacionados