Na disputa do mercado de streamings, o Disney+ é o próximo serviço a ser lançado e que pode ser a principal pedra no sapato da Netflix. Nesta semana, o estúdio revelou que o serviço será lançado no dia 12 de novembro nos EUA, Canadá e Holanda. E Nova Zelândia, na semana seguinte. Além de também revelar as plataformas nas quais estará disponível. 

E como era esperado, a lista não é pequena. No caso, o Disney+ será compatível com iOS, Android, Chromecast, Apple TV, Playstation 4, Xbox One, Roku e navegadores desktop. De acordo com a lista publicada pelo site The Verge, não há menções aos sistemas de TV da Samsung e LG, e também nem da Amazon. No entanto, a empresa afirmou que novas plataformas ainda devem ser anunciadas. 

Como também outros países. Apesar de não ter divulgado outros mercados, é previsto que o Disney+ esteja disponível na América Latina em 2020. 

Sobre valores, o serviço vai chegar nos EUA com um custo de US$6,99 mensais (equivalente a R$28), aproximadamente metade do pacote da Netflix. Usuários americanos também terão direito a assinar um outro pacote, incluindo Hulu e o ESPN+ por US$12,99 mensais.

No Canadá, o valor passa a ser C$8,99 e na Holanda 6,99€. Em nota, a companhia afirmou que o serviço deve estar disponível nos principais países dentro de dois anos. E, até 2025, a expectativa é de atingir 90 milhões de assinantes. 

Interface e conteúdos do Disney+

A disputa com a Netflix e Amazon na busca da superioridade do mercado de streaming não se limita apenas aos valores. Isso porque o Disney+ já está, há tempos, gerando grandes expectativas por oferecer, exclusivamente, conteúdos da própria companhia, e também de Star Wars, Marvel e Fox. 

Além dos conteúdos já “prontos”, a empresa já anunciou listas de filmes e séries que serão produzidos para o serviço. O que funciona como um grande convite para fãs e possíveis assinantes. 

Não só o conteúdo se destaca, como a interface do serviço também entra em conta. Enquanto a Netflix domina o quesito, já que Amazon sofre duras críticas, o Disney+ vem com o intuito de entrar de vez na competição. 

Como é possível visualizar em um vídeo publicado pela empresa, o sistema vai contar com seções dedicadas a cada uma das marcas: 

  • Disney
  • Marvel
  • Star Wars
  • Pixar
  • National Geographic

Como na Netflix, o serviço vai contar com uma barra lateral, com divisões entre filmes, séries, conteúdo original e a lista do que assistir (criada pelo próprio usuário). A similaridade com a plataforma rival também está no fato do Disney+ oferecer suporte de download para consumo offline. Além de contar com conteúdos em qualidade 4K HDR.

FONTES

1 2 3