O Banco Mundial revelou um estudo sobre desigualdade de gênero feito através da análise de dados de 141 países.

Para o estudo, economistas analisaram as habilidades potenciais, educação, treinamento e a possibilidade de crescimento futuro de cada trabalhador.

Os números foram comparados com a riqueza de capital humano – renda que uma pessoa pode obter durante toda a vida – e os resultados  foram alarmantes.

O resultado mostra que a desigualdade de gênero custa à economia mundial US$ 160 trilhões, sendo que cada país perde 14% das suas riquezas.

Desigualdade de Gênero custa US$ 160 trilhões

“Olhando para 141 países, o que é a maioria do mundo, nós podemos ver que, basicamente, as mulheres recebem menos do que os homens.

Então nós calculamos quão maior seriam as riquezas no mundo se as mulheres ganhassem o mesmo e tivessem as mesma carga horária” – disse o economista do Banco Mundial, Quentin Wodon.

No mundo inteiro as mulheres têm menos acesso à educação e menos incentivo para encontrar um trabalho remunerado.

Além disso, as mulheres que optam por seguir uma carreira, acabam encontrando apenas trabalhos de meio período, no mercado informal e com um salário mais baixo.

De acordo com o estudo, enquanto os ganhos masculinos representam 63%  da riqueza de capital humano de uma nação, o das mulheres representam apenas 38%.

Em países subdesenvolvidos a situação é ainda pior e a riqueza feminina representa apenas um terço dessa riqueza.

De acordo com Wodon  esse problema é ainda maior quando nós observamos toda a situação, pois todo mundo seria beneficiado pela igualdade – não apenas as mulheres.

Isso se dá pelo fato de que aumentariam os padrões financeiros, diminuiria a pobreza e aumentaria a qualidade de vida do país.

É preciso lembrar que muitas mulheres são chefes de família e os filhos de mães pobres e que não tiveram acesso à educação são os que mais tem risco de sofrer com a desnutrição, podendo morrer antes dos cinco anos.

As crianças que sobrevivem ainda precisam lidar com a pobreza e com as dificuldades escolares, causadas pela falta de alimento.

O estudo apontou que, se o mundo fosse um lugar ideal, no qual homens e mulheres teriam salários igualitários e mesma carga horária, cada pessoa do planeta teria um ganho adicional de US$ 23.620.

Fontes: https://www.theguardian.com/global-development/2018/may/31/gender-pay-gap-costs-global-economy-160tn-world-bank-study