Será que o relacionamento vai dar certo?

Muitas pessoas procuram o relacionamento ideal. Quando um namoro começa, os casais desejam saber se realmente vai durar. Terapeutas desenvolveram um aplicativo que pode ajudar a responder se o relacionamento vai dar certo.

Para o desenvolvimento do estudo foram observados 134 casais. Cada um deles teve duas sessões de terapia, com duração de 10 minutos, ao longo de dois anos.

Nesses encontros cada uma das partes do relacionamento selecionou pontos que julgava problemáticos. Além disso, os pesquisadores observaram se houve melhora, piora e se os casais se mantiveram juntos.

Todas as reuniões foram filmadas e assistidas depois por terapeutas. A partir das coisas ditas e da linguagem corporal, eles criavam uma estimativa de tempo que esse casal poderia durar.

Os pesquisadores também desenvolveram um algorítimo que analisa a fala. Para isso, ele observa cadência, volume e quanto tempo cada participante se mantém falando.

O algorítimo também determinou por quanto tempo os casais permaneceriam juntos. Porém, com mais eficiência do que os terapeutas, pois a taxa de acerto foi de 79,3%, enquanto os terapeutas acertaram 75,6%.

Valeria a pena usar o aplicativo?

Esse tipo de tecnologia sempre gera muitos questionamentos. É consenso geral que casais precisam conversar para resolver seus problemas. Entretanto, valeria a pena tentar resolver um relacionamento que – segundo um aplicativo – está fadado ao fim?

Não seria possível esconder suas emoções do aplicativo. Segundo especialistas, seres humanos deixam emoções fluindo pelo corpo, independente da vontade própria.

E, por mais que eles possam passar despercebidos por outros seres humanos, isso não acontece com a inteligência artificial.

Porém, o algorítimo não acertou em cem por cento dos casos. Ou seja, nem sempre o que ele prevê é o que vai acontecer. Mas será que isso ainda aconteceria dessa forma se os casais já soubessem o que o aplicativo pensa?

É possível que ele mude a situação. Afinal de contas, as pessoas podem perder o interesse ao saber que as chances de “não dar certo” são muito altas.

Pesquisadores querem desenvolver outro aplicativo

A engenheira de computação Theodora Chaspari está desenvolvendo outro aplicativo, mas que tem princípios semelhantes.

Nesse caso, ele determina o quão estressado as duas partes do casal estão. A partir disso, ele faz um cálculo rápido e, assim, determina qual a probabilidade de acontecer uma briga.

Dessa forma, espera-se que os casais tenham menos problemas.

Fonte