No Dia Internacional de Segurança da Internet, o Lingokids compartilha uma pesquisa com 1.000 famílias para continuar otimizando a qualidade do serviço para seus usuários.

Uma pesquisa feita pela Lingokids, a plataforma de aprendizado de inglês para crianças, com 1.000 famílias consultadas na Argentina, Colômbia, México e Peru, relata que 65% consideram que “a Internet não é segura para crianças”. Por sua vez, 95% consideram que “a tecnologia é uma ferramenta eficaz para complementar a educação tradicional”.

As principais preocupações das mães e pais são que elas “não acessam conteúdo seguro” (30%), que “perdem tempo com lixo” (28%), que “desenvolvem dependência à tecnologia” (25%) e que “diminuem sua capacidade de atenção “(16%).

A Internet pode ser um elemento que ajuda na educação, no crescimento e desenvolvimento intelectual das crianças, mas ao mesmo tempo está exposta – como em tudo – à riscos, que podem ser facilmente neutralizados.

Outros dados que a pesquisa mostra são que “as mães se preocupam cerca de 4% a mais do que os pais com a segurança na Internet” e que “os pais mais jovens de 35 anos se preocupam mais do que os pais com mais de 35 anos”. Por outro lado, “os argentinos se preocupam com 3% a menos que a média da América Latina em segurança na internet”.

Hoje existem várias ferramentas disponíveis para melhorar o acesso à qualidade, conteúdo seguro e adequado e também medidas básicas para uso responsável. A Google colocou em funcionamento o “Family Safety Center”, uma página cujo objetivo é proteger e educar os jovens sobre o uso da Internet. São oferecidas ferramentas e conselhos sobre cyberbullying, proteção para crianças e educação on-line para a família.

Para que a Internet seja um lugar seguro para o acesso das crianças, especialistas dizem que uma estrutura legal reguladora deve ser desenvolvida. Hoje é inevitável que as crianças acessem a Internet. Com os controles, limitar o número de horas e o conteúdo pode evitar consequências indesejáveis: vícios, acesso a conteúdo violento, drogas e pornografia.

Algumas dicas para melhorar o controle e uso da internet: que o pc esteja em uma área compartilhada por toda a família; estabelecer horários de uso; ter atividades compartilhadas com crianças na rede, ensinar as crianças a não falar com estranhos, não dar informações pessoais e proteger suas senhas; verifique seu histórico de navegação com frequência; use aplicativos que tenham violoncelos de segurança como o KidsSafetySeal; tente evitar plataformas abertas que usam conteúdo de terceiros, como o YouTube; instalar programas de segurança e ativar sistemas de controle parental.

No Dia Internacional de Segurança na Internet, a plataforma de aprendizado de inglês, Lingokids, compartilha a pesquisa realizada para continuar otimizando a qualidade do serviço de seus usuários.

Sobre o convidado: Cristoval Viedma

Cristobal Viedma é formado em Engenharia de Computação pela Universidade Politécnica de Madri. É ex-chefe da Plataforma de Aprendizagem de Idiomas Viki, adquirida em 2013 pela Rakuten por US$ 200 milhões. Viedma e sua irmã Marieta Viedma, lançaram o aplicativo Lingokids em 2016 em um esforço para criar a primeira plataforma de aprendizado de inglês do mundo para alunos da primeira infância. A empresa já possui 7 milhões de usuários no mundo e tem conteúdo da Divisão de Ensino da Língua Inglesa (ELT) da Oxford University Press, líder mundial no ensino de inglês. Viedma conseguiu atrair além da colaboração da Oxford University Press e da EF (Education First), o investimento de empresas de primeira linha como a firma independente de capital de risco Holtzbrinck Ventures, a JME y Bessemer e a 500 Startups.