O Futurismo

Pode ser que quando nós falamos de futurismo, algumas pessoas se lembrem da escola. O movimento futurista, fundado por artistas italianos ainda é amplamente estudado. Entretanto, não é disso que estamos falando.

Há um novo uso para a palavra futurismo e ele está completamente ligado ao empreendedorismo. O futurismo é uma linha de pesquisa que procura descobrir, entender e antecipar as descobertas futuras.

Isso pode até remeter a gênios personificados no cinema, como o Dr. Emmett “Doc” Brown. Porém, não se trata disso. Esse estudo é realizado para tentar antecipar coisas que podem surgir em até 10 anos.

Além disso, o futurismo – diferente daquilo que é mostrado no cinema – não é uma ciência solitária. Pelo contrário, é mais uma espécie de network.

Como funciona o futurismo?

Quem trabalha com futurismo, trabalha com observação. É preciso conhecer todas as inovações – tecnológicas, científicas etc. A partir disso, o futurista precisa imaginar como isso poderá se transformar nos próximos anos.

E também é preciso pensar além disso: como essas inovações podem ser aplicadas no mundo dos negócios? Como desenvolver as empresas?

Por isso, eles são muito procurados pro algumas companhias. Elas têm a certeza de que os futuristas são um fator crucial para o crescimento. Antecipando coisas que os concorrentes ainda não foram capazes de enxergar.

Qualquer um pode ser um futurista?

É preciso entender muito de tecnologia para trabalhar com o futurismo. Deixemos uma coisa bem clara: criatividade é importante, mas não é tudo.

Não basta o futurista ser criativo o suficiente para dizer o que poderia ser criado. Ele precisa de fatos que comprovem isso. Ou seja, ele precisa saber muito bem o assunto do qual ele fala.

Por isso, eles são pessoas que compreendem quais são os padrões de desenvolvimento de aplicativos e softwares, por exemplo. Isso permite que eles estejam sempre um passo à frente das criações.

Fontes 1, 2, 3 e 4

Thaís Dias

Diferentão Cultural