Quem é a geração Z?

São considerados como parte da geração Z, as pessoas nascidas no início da década de 2000. Portanto, eles já são consumidores de produtos e serviços. Ou seja, é necessário pensar no marketing para a geração Z.

Por mais que eles tenham nascido em épocas próximas, a geração millennial e a Z são bem diferentes. Um dos fatores que causam isso é o rápido avanço tecnológico que aconteceu entre essas gerações.

Os millennials não nasceram com computadores, Smartphones e internet à sua disposição. Eles conviveram com a internet discada, que em boa parte das casas não era acessada nos dias de semana. Ou seja, eles ainda viveram em um período de “desconexão”.

Já a Geração Z cresceu em um mundo eletronicamente conectado. Eles se adaptaram à realidade tecnológica, cresceram lidando com várias coisas ao mesmo tempo e, além disso, tem uma capacidade de espera menor do que a das gerações anteriores.

Por isso, para eles, o marketing deve ser feito de forma diferente, específica.

Marketing para a Geração Z

Uma coisa em comum entre as duas gerações é a ideia de fidelidade. Ambas são capazes de ser fiéis às marcas, desde que elas demonstrem alguma coisa que os impressione. Pode até parecer um exagero, mas se nós usarmos a Apple como exemplo isso fica mais claro.

A Apple conseguiu estabelecer um tipo de conexão com os clientes mais jovens. Por consequência, os mais velhos também começaram a se interessar pelas novidades da marca. Inclusive, algumas pessoas se recusam a comprar produtos de outras empresas.

Como dito anteriormente, a geração Z não é acostumada a esperar. Ou seja, sua campanha deve ser rápida e eficiente. Eles não ficarão esperando durante cinco minutos para saber do que se trata. Por isso, é importante investir em qualidade e velocidade.

E é nesse momento em que nós falamos do uso de redes sociais e influenciadores digitais. O uso de recursos como os stories do Instagram podem saciar completamente essa demanda de rapidez bem feita. Especialmente, se o anúncio estiver sendo feito por um influenciador.

Supondo que sua marca ainda não tenha conseguido a fidelidade do público, o influencer já a conseguiu. Por isso, essa pessoa pode ser o que sua marca precisa para se comunicar com os novos consumidores.

Fontes 1 e 2

Thaís Dias

Diferentão Cultural