Bloomberg Businessweek fez um estudo mostrando as melhores escolas de negócios do mundo. A maioria das escolas são americanas. Somente uma instituição de outro país está no top 10.

Quando nós falamos do top 30, as coisas não melhoram muito. Só há a presença de quatro escolas com sede fora dos Estados Unidos.

O top 10

1 – Stanford – Estados Unidos

2 – Escola Wharton da Universidade da Pensilvânia – Estados Unidos

3 – Harvard – Estados Unidos

4 – MIT – Escola Sloan de Negócios – Massachusetts, Estados Unidos

5 – Escola Booth da Universidade de Chicago – Estados Unidos

6 – Escola de Negócios Haas da Universidade de Berkeley – Estados Unidos

7 – Columbia – Estados Unidos

8 – Escola Kellogg da Universidade Northwestern – Estados Unidos

9 – Escola Darden da Universidade da Virgínia – Estados Unidos

10 – IMD – Suíça

A lista completa pode ser vista aqui.

As melhores escolas de negócios estão nos EUA. Por que?

De acordo com a Bloomberg, o principal motivo para esse fato é dinheiro. Mais precisamente a possibilidade de remuneração alta que as Universidades americanas oferecem.

Além da recomendação financeira, outros fatores foram levadas em consideração para o ranking: networking, aprendizagem, empreendedorismo.

O estudo mostrou o seguinte cenário para quem cursa o MBA: alunos formados nas Universidades dos Estados Unidos recebem, em média, 16% mais do que os de Universidades não americanas.

Portanto, enquanto os estudantes do país Norte Americano recebem US$ 145 mil por ano (R$ 565 mil), os outros tem salário médio anual de US$ 125 mil (R$ 487 mil).

A justificativa apresentada para essa diferença salarial foi o local que emprega. Os Estados Unidos têm o salário mais elevados para quem possui o MBA (informação do Conselho Internacional de Escolas de Negócios).

Para se ter uma ideia, os dados do Conselho Internacional mostram que 56% das empresas da americanas dão bônus de US$ 10.500 (R$ 41 mil) para funcionários com MBA. Nos países latinos, por exemplo, somente 30% das empresas oferecem a bonificação.

Por isso, os estudantes de Universidades americanas procuram emprego dentro do próprio país. Enquanto isso, estudantes de outros países desejam estudar nos Estados Unidos, aumentando suas possibilidades de emprego e melhor remuneração em seus países de origem.  Além disso, alguns deles desejam trabalhar nos Estados Unidos.

Entretanto, o estudo apontou também que nós podemos estar passando por um momento de mudança. Um dos motivos são as políticas adotadas pelo presidente Donald Trump. De acordo com a AACSB International, esse é um grande momento para as escolas da Europa.

Fontes 1 e 2

Thaís Dias

Diferentão Cultural