A falta de mulheres na tecnologia não é uma novidade. Também não é um segredo. Entretanto, as causas desse fato ainda são base para muitos estudos. O mais recente, da Web Summit, afirmou que mulheres tem que provar sua capacidade, homens não!

O Web Summit 2018 foi realizado em Lisboa no começo do mês. Essa é considerada a maior feira de tecnologia e empreendedorismo da Europa.  Ao todo, 70 mil pessoas participaram do evento.

A Web Summit 2018 foi marcada por uma polêmica. Uma das imagens do evento, divulgada na internet, mostrou a presença majoritária de homens. Inclusive, em uma montagem, alteraram o nome da conferência para “Men Summit”.

A Web Summit teve seu nome alterado para Men Summit em uma montagem

Depois que a foto se tornou viral, a organização do evento resolveu fazer uma pesquisa. Palestrantes, fundadoras, investidoras e participantes do evento participaram do estudo.

O que elas disseram na Web Summit 2018

De acordo com mais de um terço das entrevistadas houve uma melhora mundial na relação entre mulheres e mercado de trabalho. Entretanto, elas afirmaram que isso não acontece em cargos de liderança.

Apenas 17% das entrevistadas acreditam que as coisas estão mudando para cargos mais altos. Elas disseram que o que ainda acontece é puro preconceito. As entrevistadas apontaram que ainda há a ideia de que os homens são mais competentes.

Houve quem afirmasse que “os homens são avaliados com base no potencial, no que podem atingir, as mulheres só contam depois de terem trabalho feito”. Outra afirmação foi a de que algumas pessoas acreditam que “as mulheres mais emotivas e propícias a dar mais opiniões do que resultados”.

Entretanto, um estudo feito pela Nutmeg Saving and Investment, apresentou o seguinte resultado: mulheres tem mais calma do que homens na hora de investir. Da mesma forma, elas são capazes de comandar seus negócios.

Soluções Propostas

Uma das coisas apontadas pelas participantes, foi o fato de que eventos como aquele já contribuíam para melhorar a situação.

Além disso, elas sugeriram ações governamentais, como igualar o tempo de licença paternidade com o de licença maternidade. Isso evitaria que elas deixassem de ser contratadas pelo fato de que mulheres engravidam.

Outro fator importante é a forma como meninas são criadas. Muitos estudos mostram que meninas não são educadas com tecnologia e, por isso, se interessam menos pelo setor. É importante incentivá-las a brincar com coisas que incentivem o desenvolvimento tecnológico.

Nem tudo é ruim

Apesar de tudo, as entrevistadas afirmaram que não se sentem desrespeitadas. Aliás, 74% delas afirmou se sentir respeitada e confiante em seu ambiente de trabalho.

Inclusive, uma afirmação feita foi a de que essa confiança surge pelo fato de “não ligar o que os outros pensam e simplesmente trabalhar no duro”.

No último dia do evento, o principal organizador do Web Summit convidou todas as mulheres participantes ao palco. Ele quis rebater a foto que dizia “Man Summit” e mostrar que muitas pessoas do sexo feminino estavam no local.

Fontes 1 e 2

Thaís Dias

Diferentão Cultural