O objeto interestelar

Em outubro de 2017, um objeto interestelar foi localizado no espaço. Ele era alongado e parecia ser uma rocha. O asteroide de 400 metros de comprimento recebeu o nome de Oumuamua – nome havaiano para ‘mensageiro’.

Um dos pontos diferentes desse asteroide é o fato de que o seu comprimento é dez vezes a sua largura. Além disso, o Instituto de Astronomia do Havaí percebeu que a potência do brilho do asteroide varia  até dez vezes na medida em que completa uma volta sobre si mesmo a cada 7,3 horas.

Desde o começo da observação do nosso sistema solar os pesquisadores nunca viram algo assim. É preciso dizer que 750 mil asteroides e cometas já foram observados.

O objeto interestelar veio de outro sistema solar

Os cientistas analisaram os dados que eles foram capazes de coletar durante a passagem do asteroide.

Isso permitiu que eles conseguissem afirmar que o objeto interestelar veio de um sistema solar diferente do nosso.

Aparentemente, isso acontece cerca de uma vez por ano. Porém, como o monitoramento começou a ser feito há pouco tempo, é difícil  comprovar esse fato.

De acordo com o que foi publicado no ano passado, o asteroide havia viajado por milhões de anos pela Via Láctea. Depois ele passou pelo nosso sistema solar e continuou o seu caminho.

Harvard afirma que alienígenas enviaram o objeto

Dois cientistas do centro de astrofísica de Harvard estão pesquisando o asteroide desde o começo da história.

Depois de alguns meses, os dois – Abraham Loeb e Shmuel Bialy – publicaram a hipótese de que alienígenas enviaram esse objeto. Eles acreditam que a rota do asteroide não foi acidental.

A possibilidade surge por causa do formato do asteroide. O fato dele ser achatado, permite sua deslocação de forma mais veloz. Por isso, eles acreditam que o objeto poderia ter sido produzido de forma artificial.

Astrofísicos brasileiros refutam a ideia

De acordo com pesquisadores da UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro, o asteroide tem, no máximo, 1 bilhão de anos.

Considerando os aspectos do objeto espacial e sua idade, é praticamente impossível que ele não seja um elemento natural.

Segundo os dois cientistas, Hélio Rocha Pinto e Felipe Almeida Fernandes, no momento em que esse tipo de descoberta é feito, muitas teorias surgem. Entretanto, com o tempo elas começam a ser desmentidas.

Fontes 1, 2 e 3