Bill Gates participou de um evento em Pequim, na China. O milionário entrou no local com as mãos ocupadas por um pote de fezes humanas. Sua ideia não era chocar, mas sim, apresentar uma solução para o problema sanitário mundial.

Ao apresentar o seu pote de fezes, Bill Gates disse que ele poderia conter “nada menos que 200 trilhões de rotavírus, 20 bilhões de bactéria Shigella e 100 mil ovos de vermes parasitas”.

Isso deixa claro o que levou o empresário a se interessar pelo assunto. Nós vivemos em um mundo extremamente tecnológico, mas que não consegue oferecer saneamento básico para todo mundo.

Os problemas sanitários mundiais

Ao apresentar o vaso sanitário, Bill Gates também mostrou alguns dados mundiais:

  • por ano, morrem cerca de 500 mil crianças menores de 5 anos no mundo;
  • a economia mundial perde uma média de US$ 200 bilhões por ano. Isso se dá pelo excesso de custos sanitários e pelo fato de que os gastos não são produtivos, uma vez que, falta saneamento básico adequado.

Além disso, a ONU também afirma que 60% da população do mundo não possui instalações sanitárias adequadas. E como se não bastasse, 900 milhões de pessoas defecam ao ar livre, pois não há banheiros para todos.

Falando apenas a respeito do Brasil, os números já são assustadores:

  • Em 2016, somente 83,3% da população era abastecida com água potável;
  • 51,9% tinham acesso ao tratamento de esgoto. Isso significa que mais de 100 milhões dos brasileiros precisavam inventar uma forma de se livrar dos seus dejetos.
  • O esgoto tratado do Brasil simbolizava apenas 44,9%.

Como funciona o vaso sanitário?

O novo vaso sanitário não precisa estar conectado a nenhum tipo de saneamento básico. Além disso, não há a necessidade do uso de água e o vaso ainda transforma os dejetos humanos em adubo.

De acordo com Bill Gates, o vaso já está pronto para ser usado. Aliás, eles já estão sendo testados em Durban, uma cidade da África do Sul. Em breve devem iniciar os testes para que eles sejam alimentados por energia solar.

Ele ainda afirmou ainda que a expansão rápida do projeto pode reduzir drasticamente o número de mortes e o de doenças causadas por falta de saneamento.

A fundação Bill e Melinda Gates investiu, desde 2011, mais de US$200 milhões nos vasos sanitários. O plano é investir mais US$200 milhões e, assim, poder espalhá-los por todos os lugares necessários.

Fontes 1, 2 e 3

Thaís Dias

Diferentão Cultural