Profissionais estão trocando grandes empresas por startups: É comum relacionarmos o termo startup a marcas inovadoras, grande arsenal tecnológico, um time de jovens empreendedores e intraempreendedores cheios de ideias para mudar o mundo e escritórios absolutamente não convencionais.

O modelo de negócio também é diferente da lógica de empresas tradicionais e a palavra-chave da estrutura de trabalho é “flexibilidade”.

Muitas dessas características realmente definem as startups, mas não deveríamos enquadrá-las sempre nas mesmas concepções. Isso porque, apesar de serem responsáveis por inúmeras inovações, tanto quando se trata de produtos quanto da estrutura do negócio, muitas startups possuem gestões sólidas e escritórios organizados com base em modelos considerados tradicionais, mas adaptados ao cenário do mercado atual.

Todas as novidades implantadas por startups em termos de gestão e benefícios para os funcionários são estrategicamente pensadas para otimizar performances.

A cultura organizacional e o ambiente de trabalho, portanto, já seriam suficientes para entender a migração do século 21.

O movimento de jovens profissionais saindo de grandes empresas para recomeçar em startups também está relacionada a alguns fatores que apresentaremos neste texto.

Continue lendo para entender o que tem atraído esses profissionais e o que poderia atrair o seu perfil para essas empresas.

A ADMINISTRAÇÃO

Relacionar o recente modelo de negócio a um faturamento baixo e empresas de pequeno porte é um erro! Hoje, é cada vez mais comum surgirem startups unicórnio, ou seja, aquelas que atingem valor de mercado de um bilhão de dólares. Por isso, a condição de “empresa emergente” está mais relacionada aos meios que utilizam para alcançar seus resultados.  

Na categoria, estão empresas cujo ferramental tecnológico é essencial em todas as fases do negócio e processos comerciais, desde o projeto até a venda do produto final. Estão imersas no mundo digital. O objetivo principal é criar algo disruptivo dos padrões e normas atuais por meio da tecnologia e evoluir em um ritmo acelerado e competitivo em relação às grandes empresas que estão no mercado a mais tempo.

Outra característica importante da administração de startups é o foco na simplificação dos processos. Esse modelo de negócio preza por negociações menos burocráticas e planos bem definido por etapas transparentes e descomplicadas, o que costuma atrair não apenas clientes, mas investidores.

Profissionais estão trocando grandes empresas por startups

O que os profissionais consideram antes de fazer essa mudança significativa de carreira? Quais são as principais diferenças entre o trabalho em uma startup recentemente aberta e uma multinacional estabelecida?

Identificar os motivos para a troca é a melhor maneira de entender a nova lógica do mercado e identificar possíveis atrativos para a sua carreira, considerando vantagens e desvantagens de ambos os tipos de empresas. Atenção à lista:

Cultura da organização

O trabalho – e, mais importante, o resultado – coletivo é a moeda mais valiosa de uma startup. Enquanto grandes corporações costumam encorajar a competitividade entre times e funcionários para alcançar metas, as startups valorizam o crescimento pela troca.

A competitividade muitas vezes acaba realçando os interesses individuais em detrimento do desenvolvimento em conjunto, o que trava ideias e inovações.  

Crescimento na carreira é prioridade para todo profissional, mas as startups reconhecem que isso só acontece por meio de colaboração. Departamentos que se entrelaçam e possuem uma sinergia mesmo que sejam de áreas completamente diferentes costumam ser a principal fonte de ideias inovadoras.  

Feedback constante e reconhecimento dos talentos também é algo comum na cultura interna das startups, criando um ambiente mais generoso onde a experiência de cada indivíduo é a chave para o sucesso do próximo.     

Conhecimento e competências

A formação acadêmica ou mesmo a universidade onde realizou a graduação pode ser fator determinante nos processos seletivos de empresas tradicionais, mas já não possuem um valor tão alto para as startups.

A inteligência situacional baseada em habilidades técnicas e experiência prévia são os elementos que realmente permitem a um candidato se destacar.

É claro que todo conhecimento é válido e que um diploma ainda é um acréscimo valioso para o currículo, mas para essas “empresas emergentes” o mais importante é encontrar profissionais capazes de ajudá-las a crescer, o que significa que suas realizações (e a forma como você as prova apresentando os resultados que obteve) são muito mais eficientes para garantir sua colocação e alinhamento com a cultura da startup.

E aqui contam tanto as experiências acadêmicas quanto as profissionais, e mesmo algumas experiências pessoais, como trabalhos voluntários, por exemplo. O voluntariado expõe não apenas habilidades não usuais quanto características do perfil da pessoa.

Esse incentivo a uma carreira ativa para construção de um portfólio consistente e variado é o que possibilita que as startups retenham talentos compatíveis com as necessidades de seus negócios e setores. As competências são consideradas de forma específica, com foco em objetivos claros e na sinergia do time.

Aliás, a forma como o profissional vai se encaixar no time e interagir com seus colegas tem sido cada vez mais valorizada por essas empresas. Por meio de perguntas em entrevistas e dinâmicas, as startups procuram acessar as características do perfil do profissional e identificar como será o relacionamento dele(a) com os outros membros do time.

Realização profissional

Provavelmente o fator mais importante das motivações da “migração do século XXI”. Os profissionais que trocam grandes empresas por startups frequentemente apontam a realização profissional como o elemento principal de estímulo para suas escolhas.

Muitos colocam a realização profissional como prioridade na lista de motivos para a mudança, acima até mesmo de melhores salários. Isso porque vêem nas startups a chance de finalmente atuar em suas áreas de formação ou em uma área onde sempre sonharam em trabalhar.  

Os gestores de uma startup costumam ter ciência de que um(a) profissional atuando em uma função onde se sente realizado(a) e desenvolvendo projetos com os quais se identifica e nos quais acredita sempre terá uma performance benéfica para a empresa como um todo.

Qualidade de vida

Se existe uma característica das startups que se destaca da maioria das inovações implementadas por elas é a preocupação com a qualidade de vida dos profissionais tanto dentro quanto fora do escritório.

Escritórios que oferecem atividades de lazer e benefícios originais – como fim de expediente mais cedo às sexta-feiras, happy hours e inscrições de academia, por exemplo – são dois dos diferenciais atrativos das startups.

O objetivo é aproximar o trabalho o máximo possível das atividades prazerosas do dia a dia. E o motivo é simples: devido às equipes reduzidas, o volume de trabalho exige bastante dos profissionais e o gerenciamento das startups tem consciência disso, esforçando-se para criar um ambiente mais flexível, confortável e estimulante.

Entusiasmo

Em uma startup, é muito mais fácil visualizar o resultado do trabalho individual de cada profissional e onde estão os pontos de contato, o que estimula e, ao mesmo tempo, facilita a comunicação e troca de conhecimento.

Atualizações periódicas sobre o negócio podem reunir a empresa inteira, o que facilita identificar o cargo de cada profissional, os projetos em que estão envolvidos e o que têm realizado para o objetivo geral da empresa, assim como a quem pedir ajuda para assuntos específicos.  

Em grandes corporações existe dificuldade de ter uma visão macro do negócio e de como seu trabalho o afeta, além de um maior distanciamento entre setores devido à segmentação e especialização das tarefas.

Com a facilidade de entender os detalhes que construíram cada conquista, os feedbacks são mais frequentes e, com eles, o esforço por corrigir falhas e melhorar sempre. O entusiasmo das startups é costuma ser contagiante!

Acredita em unicórnios?

Quando a criatura mitológica foi escolhida nos Estados Unidos para representar as startups que atingiam a casa dos bilhões de dólares, o feito ainda era raro – como um unicórnio!

Hoje, porém, o alto faturamento é cada vez mais comum, afastando assim a fama de “microempresa” ou de empresa que atende um mercado de nicho e, portanto, nunca conseguirá atingir ganhos significativos com um público tão segmentado.   

As starups têm provado que existe mercado para tudo e todos.

O principal “porquê”

Os chamados millennials e a geração Z buscam mais significado para suas ações e objetivos, sejam eles para a vida pessoal ou profissional.

O status de fazer parte de uma multinacional aos poucos é substituído pela sensação de participar de um projeto revolucionário capaz de gerar real valor para a sociedade, o mundo ou apenas para um cliente. São razões e motivações diferentes.

E a vantagem das startups e seus times menores é conseguir manter a qualidade de seu crescimento, a precisão de seus talentos e a exatidão na produção de soluções para seus negócios.

E você, sabe o que te move profissionalmente? O que é prioridade em sua carreira? Precisa de um guia para responder essas perguntas? A Adzuna tem todas as informações e todas as vagas!

Sobre a convidada:

Barbara Martins é responsável pelas ações de marketing digital e pela produção de conteúdo sobre carreira e mercado de trabalho que complementa a ferramenta de busca por vagas de emprego em adzuna.com.br.