Quando um paciente irá morrer: A Google criou uma ferramenta que pode prever uma série de resultados para os pacientes, incluindo por quanto tempo as pessoas podem ficar em hospitais, suas chances de readmissão e suas chances de óbito em breve.

Em maio foi relatada a morte de uma mulher que estava enfrentando um câncer de mama com estágio já avançado. Ela chegou ao hospital da cidade, com os fluídos já tomando conta de seu pulmão

No hospital, a mulher passou por um exame radiológico enquanto dois médicos acompanhavam sua situação. Ao consultarem o computador do hospital e analisarem seus sinais vitais, foi constatado que ela teria 9,3% de probabilidade de chegar a óbito durante sua estadia no hospital.

Foi então que o novo algoritmo do Google entrou em cena. A IA, desenvolvida pela própria empresa, analisou as chances da paciente falecer. 175.639 pontos de dados passaram pelo pente fino da nova tecnologia que concluiu o risco de morte da mulher em 19,9%. A paciente faleceu em questão de dias.

O que impressionou os Médicos especialistas foi a capacidade do Google para analisar dados que anteriormente eram inacessíveis, como, por exemplo, anotações gravadas que foram rasuradas em arquivos antigos ou em PDF’s.

Há anos, médicos, hospitais e profissionais da área tentam desempenhar melhor o uso dos registros eletrônicos de saúde e dados dos pacientes. Com maior quantidade de informações compartilhadas podem salvar vidas e ajudar os profissionais de medicina a não perder tempo com burocracia, mas, sim, investir mais tempo com os pacientes. Porém, as técnicas atuais de dados de saúde são custosas, cansativas e longas.

Como iniciaram o projeto de quando um paciente irá morrer

A decisão do Google foi de transferir esse sistema preditivo às clínicas, disse Jeff Dean, chefe da inteligência artificial. A Medical Brain, que é a unidade de pesquisa sobre saúde em que Dean atua, está trabalhando no desenvolvimento da IA que aspira refinar ainda mais sua precisão.

O desenvolvimento e os avanços da Medical Brain, ofereceram ao Google a oportunidade de entrar em um novo mercado, algo que os co-fundadores Larry Page e Sergey Brin almejaram por muito tempo.

FONTE: https://www.straitstimes.com/world/united-states/google-is-training-machines-to-predict-when-a-patient-will-die

https://www.startupsstars.com/2018/05/google-duplex-faz-ligacoes-e-imita-voz-humana/