A lâmpada

Em 1901, os bombeiros da cidade de Livermore, na Califórnia, queriam deixar os alojamentos iluminados o tempo todo para que eles pudessem atender aos chamados noturnos de forma mais rápida e eficiente. Para poder colocar essa ideia em prática, eles resolveram instalar uma lâmpada – que foi doada por um empresário.

O que eles não sabiam é que essa seria a lâmpada mais famosa da história – com direito a página na internet, perfil no Facebook e uma câmera particular que a filma dia e noite.

Ela foi feita à mão em 1897, pela empresa Shelby Eletronic Company – fundada por Adolphe Chaillet, rival de Thomas Edison. Com 8 centímetros e uma forma mais arredondada, acredita-se que ela já foi uma lâmpada de 30W, porém, atualmente, sua luz é de apenas 4W.

Em 2001, ela ganhou o título de centenária e completou 117 anos e mais de um milhão de horas de uso.

Uma física da Acadêmia Naval dos Estados Unidos, Debora Katz, estudou, em 2007, lâmpadas produzidas na mesma época  e percebeu que o filamento, possivelmente feito de carbono, é semicondutor e oito vezes mais grosso do que o normal.

Seu perfil semicondutor faz com que ela se torne mais potente quando a lâmpada esquenta, diferente das lâmpadas atuais, que perdem força.

A mudança

Quando a lâmpada foi entregue aos bombeiros, eles dividiam o quartel com a polícia, porém eles se mudaram e levaram a lâmpada junto.

A próxima mudança aconteceu em 1976, mas, nessa época, ela já havia entrado para o Guinness book e, por isso, a mudança aconteceu de forma muito mais cuidadosa, com um esquema de proteção criado pelo governo californiano.

Para evitar que ela quebrasse, eles preferiram cortar o fio – ao invés de desenroscá-la – e, além disso, ela foi escoltada pelos bombeiros e pela polícia.

Desde então, a lâmpada está localizada no mesmo lugar: a estação número 6 dos bombeiros.

Segundo especialistas, o fato de a lâmpada nunca ser desligada e ter sido mantida no mesmo soquete por todos esses anos, justifica a longa duração do produto. Entretanto, algumas pessoas alegam que o motivo é outro.

A Conspiração da Lâmpada de Luz, o filme

No documentário espanhol “A Conspiração da Lâmpada de Luz” (“Tirar, comprar, tirar” na versão espanhola), de 2007, nós somos apresentados uma outra visão a respeito desse fenômeno.

Eles propõem que os produtos atuais têm uma coisa chamada “obsolência programada”, como se todos tivessem uma data de validade pré-definida, para garantir que os consumidores continuem fazendo compras com uma frequência maior.

De acordo com o documentário, o acordo entre as empresas para limitar o tempo de vida de um produto foi firmado em 1924 e a lâmpada centenária é a prova de que nós poderíamos ter aquisições de maior qualidade.

Tempo de duração médio das lâmpadas atuais

LED: 25 a 50 mil horas

Fluorescentes: 6 mil horas

Incandescentes: 1 mil horas

Fonte