Como reduzir custos com o Marketing Digital?

Por muitos anos o Outbound Marketing (televisão, revistas, jornais, outdoors etc) foi considerado o único tipo de marketing possível – e deu certo por muito tempo! Estar em uma propaganda na televisão levava um valor muito grande à marca e fazia as vendas decolarem.

Porém, o mundo mudou. Não entraremos no clichê de falar do avanço da internet – se estão lendo esse post, já sabem que as formas de comunicação se transformaram. Porém, o que muitas empresas ainda não entendem é que a forma de consumir também mudou.

O que o Marketing Digital faz é o básico de todo negócio: estar onde as pessoas que podem comprar o seu produto/serviço estão. E agora não temos mais como nos enganar – elas estão na internet.

Uma das grandes vantagens do Marketing Digital é que ele é muito mais barato do que o Outbound Marketing. Veja o porquê:

Por que o Marketing Digital é mais barato?

Ele é mais barato por muitos motivos. Primeiro porque a captação de clientes em geral é onde as empresas mais gastam. É muito mais caro captar um cliente do que fidelizá-lo, por exemplo.

Inbound Marketing

No Marketing Digital esse gasto é menor porque é feito com táticas de e-mail marketing, conteúdo relevante e com redes sociais. Assim, o cliente chega até a marca quando ele procura a cura da sua “dor” – esse é o conceito do Inbound Marketing, o marketing de entrada.

Vamos dar um exemplo para facilitar o entendimento: você tem uma loja de decoração. Imagine que alguém quer decorar a casa. Ela procura dicas de decoração na internet, certo? É o que a maioria das pessoas faz atualmente. Então ela navega por vários sites com dicas e modelos de casas decoradas. Quando você faz o Inbound Marketing de forma correta, a sua marca será uma das primeiras e mais relevantes que essa pessoa verá. Isso atrai a pessoa na hora correta, ao invés de ficar insistindo em anúncios que não são interessantes para as pessoas.

Fidelização

Mesmo depois de a pessoa ter adquirido o produto ou serviço, a marca deve continuar amparando esse cliente e o nutrindo-a com conteúdo relevante. Isso acaba criando uma relação mais humanizada e próxima entre a marca e o cliente. As chances de um consumidor optar pela concorrência quando precisar novamente da sua solução são escassas. Clientes fiéis exigem menor esforço da empresa na atração de novos clientes e isso certamente otimiza tempo e recursos financeiros.

Prova social

A prova social existe quando pessoas que fizeram o uso do produto ou serviço da marca se sentem satisfeitas. No Marketing Digital é muito fácil conseguir depoimentos dessas pessoas – só no Facebook já existe uma ferramenta só para as pessoas darem opiniões sobre as marcas em suas páginas. Um bom planejamento aqui já prevê que após uma compra ou contato, uma avaliação sobre o contato ou o desempenho do produto em si seja feita. Quanto mais positivo for o depoimento de outras pessoas sobre sua marca, maior a quantidade e percentual de conversão terão.

Claro que nem só de elogios a prova social é feita. Mas até as críticas são importantes aqui. Reclamações referentes ao desempenho de um produto, por exemplo, podem servir de base para melhorias e evitar assim o retrabalho, que hoje é considerado uma das causas mais impactantes sobre o custo de produtos e serviços.

Contato com vendas

Quando as campanhas são bem direcionadas, reduzem o esforço do vendedor e aumentam a taxa de conversão da equipe comercial. Quando as pessoas certas chegam por meio do marketing, elas vão até as vendas mais focadas. Então abrem-se mais oportunidades de negócio e a relação investimento/retorno será visivelmente compensatória.

Percebe como existem muitos aspectos que transformam o Marketing Digital em uma alternativa mais barata para as empresas? Ficou com alguma dúvida? Deixe o seu comentário, ficaremos felizes em responder.

Sobre o convidado:

“O Grupo Ipub engloba a Agência New Age Marketing, a Agência Ipub e o AGI. Com o foco no Growth Marketing, usa técnicas de marketing de conteúdo e processos otimizados de vendas para aumentar o número de clientes e lucros das empresas.”