10 dicas para sua startup ser aceita em um programa de aceleração
Três meses atrás, o Gigloop (https://www.gigloop.com/pt/), startup da qual sou cofundador, foi escolhido pelo governo francês como vencedor da competição French Tech Ticket (http://www.frenchtechticket.com/), e recebemos como prêmio um ano de incubação mais aporte financeiro. Antes de sermos aceitos nesse programa, já estávamos aplicando para incubadoras e aceleradoras há mais de um ano e meio. Foram dezenas de tentativas frustradas e algumas entrevistas sem sucesso, até que finalmente fomos selecionados.

Algum tempo após nossa aceitação encontrei algumas das nossas primeiras aplicações, que eu tinha salvo em cantos obscuros do meu Dropbox, e resolvi ler para comparar nossas respostas antigas com as mais recentes. A diferença era gritante. Foi aí que percebi o quão importante é, além de a startup e equipe serem de alto nível, saber expor isso claramente. Por isso, resolvi compartilhar com vocês 10 dicas que me ajudaram muito a melhorar nossa aplicação e conquistar a vaga para o French Tech Ticket:

1- Escolha incubadoras e aceleradoras que se adequem ao seu perfil e estágio

Bem no início do Gigloop, aplicamos para algumas aceleradoras que tradicionalmente aceitam apenas startups com rendimento anual nos milhões. Mesmo que, por algum milagre, fôssemos aceitos, não seria tão benéfico para nós quanto um programa voltado especialmente para a nossa fase de desenvolvimento. É importante procurar incubadoras/aceleradoras que sejam um bom match para você, tanto em questão de estágio da sua startup quando nos perfis e mercados que o programa costuma atender.

2- Saiba descrever o que faz em poucas palavras

É importante saber descrever o que sua startup faz, objetivamente, em apenas uma frase. Uma descrição de cinco palavras é excelente, de 10 é muito boa, e 15 geralmente é muito. Além disso, seja objetivo: “Airbnb é um marketplace para aluguéis de curta duração” é uma melhor descrição do que “Airbnb conecta pessoas a experiências únicas de viagem” – tirado da página do CrunchBase deles (https://www.crunchbase.com/organization/airbnb)-. Essa é a primeira resposta que o avaliador lê, e serve como contexto para entender todas as outras, então é importante que deixe bem evidente o que faz.

3- Seja conciso

Não é porque o formulário permite escrever uma resposta de 500 caracteres que é necessário usar o espaço todo. Se for possível transmitir a mesma idéia em 200 caracteres sem perda de conteúdo, isso é um ponto extremamente positivo. Lembre-se de que os avaliadores muitas vezes lêem dezenas ou até centenas de aplicações por dia, então não torne a leitura da sua em uma atividade maçante.

4- Foque na sua missão principal

O objetivo da aplicação não é fazer uma lista de funcionalidades da sua plataforma, e sim explicar o cerne da sua empresa. A não ser que seja alguma sacada extraordinária, não importa à incubadora uma feature que pode ser replicada em poucos dias por um competidor. É melhor explicar muito bem sua atividade principal do que fazer uma lista exaustiva de funcionalidades que não deixa clara a missão principal da empresa.

5- Tração

Se a sua startup tem boa tração, faça disso um dos focos de sua aplicação, principalmente se isso se traduz em renda. Tração mostra que sua startup conseguiu construir algo que as pessoas realmente querem, e que a equipe tem a capacidade de adquirir usuários.
6- A equipe conta
É muito importante para as incubadoras que tenham uma equipe forte. Os três principais pontos que elas procuram são times com sinergia, experiente no mercado de atuação e com fundadores motivados e proativos. Experiência prévia em empreendedorismo também é um ponto bastante positivo. Além disso, para startups de tecnologia, muitas incubadoras consideram imprescindível um CTO ou fundador com background técnico.

7- Recomendações, recomendações, recomendações!

Recomendações de fundadores de startups que já passaram pelo programa aumentam drasticamente a sua chance de passar à fase de entrevistas. E esses empreendedores costumam ser pessoas acessíveis e solícitas. Então, não hesite em pedir a um amigo mútuo para apresentá-lo, ou até mesmo em enviar uma mensagem diretamente em mídias sociais ou por e-mail. Já tivemos conversas excelentes e conseguimos recomendações para o Gigloop de CEO’s com quem fomos falar no Twitter.

8- Busque Feedback

Mostre suas respostas para outras pessoas e peça opiniões. Quanto mais pessoas melhor. Procure incluir pessoas que não conhecem sua empresa ou seu mercado de atuação, pois muitas vezes algo que parece evidente para você, não será para quem não está inserido no seu universo – como será o caso de quem vai ler sua aplicação. Se possível, busque também feedback de investidores profissionais e empreendedores que já passaram por aceleradoras, porque eles estão acostumados a ler e a escrever esse tipo de resposta.

9- Fique atento aos detalhes

A qualidade da sua aplicação reflete na sua startup. Respostas concisas, bem escritas e elaboradas passam a imagem de um projeto dirigido com esmero. Respostas mal pensadas, com erros gramaticais ou falta de pesquisa sobre a incubadora transmitem a imagem de fundadores desleixados. Portanto, capriche e revise bem suas respostas, dê para outras pessoas lerem, e, se forem em inglês, peça a um professor ou falante nativo de inglês para corrigi-las.

10- E, por fim, seja resiliente

Inúmeras startups de sucesso não foram aceitas na primeira tentativa. Buffer, que levantou seu último round em 2014 com avaliação de US$ 60 milhões, e SendGrid, que já levantou US$ 80 milhões e deve fazer IPO ainda esse ano, foram rejeitadas em sua primeira tentativa. Buffer acabou indo para a AngelPad e SendGrid para a Techstars, duas das melhores aceleradoras do mundo. Portanto, se você não for aceito na primeira tentativa, continue tentando!

Um excelente exemplo de boa aplicação é a do Dropbox. A startup de Drew Houston foi aceita na aceleradora mais famosa do mundo, a YCombinator, e disponibilizou a sua aplicação online (https://dl.dropboxusercontent.com/u/27532820/app.html). É uma ótima referência de como concisão, foco no cerne da startup e objetividade são chaves para uma boa aplicação.

Passar por um programa de incubação tem sido uma experiência incrível para o Gigloop, e realmente traz muito valor para a startup. Eu recomendo para qualquer empreendedor que tenha a oportunidade de passar por um programa de qualidade que abrace a oportunidade. Mas lembre-se, também é possível ser bem sucedido sem passar por aceleradora ou incubadora. Facebook, Twitter, Uber e Kickstarter são algumas das muitas gigantes que nunca passaram por programa nenhum.

Fábio Gelbcke

Fábio Gelbcke

Sobre o convidado: Fábio Gelbcke

O CTO do Gigloop, como era de se esperar, é apaixonado por tecnologia, tanto que foi aluno do IME, uma das melhores universidades do mundo, por dois anos e meio. Mas, a atração pelo mundo de negócio o levou a trocar o Brasil por Paris, para estudar na faculdade francesa École 42, a primeira instituição de ensino superior do mundo a adotar uma política de aulas sem professores. Além do Gigloop, Gelbcke também é cofundador do portal e canal Direito em Tela (https://www.direitoemtela.com.br), que oferece aulas gratuitas de Direito e tem mais de 6 milhões de visualizações no YouTube.