Você está preparado para empreender no Brasil? 

Pensar em abrir o próprio negócio é um sonho em comum de vários brasileiros. Pensar e sonhar é direito de todos, mas tirar o sonho do imaginário e torná-lo realidade não é para qualquer um, afinal, empreender é uma tarefa difícil e empreender no Brasil é algo mais difícil ainda.

A coragem típica do brasileiro e uma boa política de oportunidades e facilidades para quem escolhe empreender transformaria o país em um berço de grandes empreendedores, mas o cenário não é tão favorável àqueles que abrem seus negócios em terras brasileiras. Diversos aspectos da própria cultura do país intervém na imagem que o brasileiro faz do empreendedorismo.

Nas escolas e universidades ainda não há de fato uma valorização desse profissional e pouco se fala da importância dele para a economia do país e do esforço e dedicação que o empreendedor tem de ter para alcançar o sucesso. Fora essas questões, há uma série de aspectos político-econômicos que tornam-se empecilhos para quem quer empreender e somente aqueles que persistem e não se entregam à burocracia, à alta carga tributária, à dificuldade de obter crédito e todos os outros desafios, alcançam seus objetivos na fase inicial do negócio.

Abrir uma empresa no Brasil demanda não só dinheiro, como tempo e paciência, já que um dos maiores problemas enfrentados pelos novos empreendedores é a burocracia. Um estudo realizado pelo Banco Mundial, o Doing Businnes, aponta que quem quer abrir um empreendimento no país tem que aguardar em torno de 155 dias para abrir as portas e desembolsar em torno de 270 dólares em impostos. Ainda segundo o Doing Businnes – que avaliou o quão lento é o processo de abertura de empresa em alguns países – o Brasil é o sexto país, entre os 133 avaliados, que mais demora para que um negócio seja aberto.

Segundo opinião de Luiza Trajano, dona do Magazine Luiza a burocracia é um ponto negativo para o empreendedor, mas ela ainda vê pontos positivos para os novos donos de empresa no Brasil: “ Temos de avançar em desburocratização e facilitação de crédito. Mas basta ver as ações como o Simples e o Micro Empreendedor Individual (MEI), que possibilita a legalização e inclusão de milhares de pessoas.” Modelos de negócio como o MEI e o Simples facilitam a vida do novo empreendedor e possuem um plano de impostos e tarifas diferenciado.

Questões como a dificuldade para adquirir crédito e capacitação profissional estão na lista dos desafios a serem enfrentados pelos brasileiros junto à burocracia e os altos impostos. Quem está começando tem maior dificuldade para conseguir crédito, o que já não acontece com quem já está estabilizado no mercado a mais tempo. Quanto à formação do empreendedor, muitos ficam restritos ao que aprenderam no colégio ou universidade, mas para se preparar é necessário transgredir o que foi ensinado em sala de aula e buscar outros conhecimentos essenciais à rotina do empreendedor. Eugênio Mattar, presidente da Localiza, dá seu parecer sobre o tema em questão:

“O País ainda está bastante atrasado em educação e tem um dos maiores custos de capital do mundo.” Ainda assim  Eugênio se mostra otimista: A China dá o exemplo, está fazendo um trabalho grande para facilitar a vida das empresas.” O Brasil já deu alguns passos para melhorar as condições e receber melhor seus empreendedores, mas a caminhada está só começando, visto que o número de empreendedores cresce exponencialmente a cada ano e há muito o que se fazer para criar um ecossistema propício para o sucesso do empreendedor brasileiro.

O Brasil ainda deixa a desejar quando o assunto é educação, mas sabemos de casos de grandes homens de negócio que sequer possuem um curso superior, mas também sabemos que eles são exceções. Quanto mais o empreendedor se prepara, (e consegue ir além da formação acadêmica), mais confortável se sente para desbravar o mercado feroz e a concorrência sangrenta que não poupa os novos donos do próprio negócio. Gabriel Kallas, empreendedor e sócio-fundador da Toro Radar – empresa de análise de investimentos –  fala sobre sua experiência: “Se você empreende precisa inciar uma busca incessante por conhecimento e não é aquele conhecimento que você paga e aprende, é algo maior, mais amplo que nem sempre uma instituição vai te ensinar.”

Apesar de todas as condições adversas, muitos empreendedores estão por trás de negócios extremamente lucrativos e isso prova que independente de onde o empreendedor está, seja no Brasil ou até na China, ele é 100% responsável pelo sucesso do negócio. Condições favoráveis ajudam, mas também não tornam menos árdua a vida de quem escolhe empreender. Se a situação não é fácil é preciso estar suficientemente preparado para solucionar os problemas e superar os desafios.

Sobre a Convidada:

 Renata Cota, escreve sobre investimentos e mercado financeiro para o Blog Toro Radar junto ao sócio-fundador da empresa, Márcio Placedino. Além desses temas, empreendedorismo está sempre na pauta da mineira, de 24 anos formada em Marketing. A Toro é especialista em análise e educação na Bolsa de Valores e conseguiu crescer 500% de 2014 para 2015, bem como tem clientes em todos os 27 estados do Brasil.

Página Pessoal: https://www.facebook.com/RenatinhaCota

E-mail de contato: renata.cota@tororadar.com.br

Site da Toro: http://www.tororadar.com.br/

Quero Escrever um GuestPost