Quem foi Sarah Breedlove?

Nascida em 1867, Sarah Breedlove foi uma empreendedora pioneira. Em sua família, ela foi a primeira a nascer livre, enquanto seus pais e os dois irmãos mais velhos eram escravos nos campos de algodão. Depois dela, sua mãe deu a luz a mais cinco crianças.

Como tantos outros negros da época, seus pais não demoraram a morrer, deixando Sarah órfã aos sete anos. Ela foi morar com a irmã mais velha, mas como era mal tratada pelo cunhado, resolveu se casar quando tinha 14 anos. Sua filha nasceu quando ela tinha 17 e aos 20 ela se tornou viúva.

Depois da morte do marido, Sarah se mudou para Boston e foi morar com os irmãos, que conseguiram que ela trabalhasse em um salão de beleza, lavando os cabelos dos clientes.

Os cuidados com os próprios cabelos eram difíceis, o uso de produtos para alisar os fios só causava queda de cabelo e Sarah resolveu estudar os rótulos dos produtos, adquirindo o conhecimento que, futuramente, foi o que fez dela uma empreendedora de sucesso.

Madame C. J. Walker, a empreendedora

“Eu sou uma mulher que veio dos campos de algodão do Sul. De lá, eu fui promovida à pia de lavar cabelos. De lá eu fui promovida à cozinha. E de lá eu me promovi para a industria de produção de produtos de cabelos. Eu construí minha própria fábrica, no meu próprio quintal”.

Essa citação é de Sarah Breedlove, empreendedora que optou pelo uso do nome de seu terceiro marido, Charles Joseph Walker, se tornando Madame C.J.Walker. Depois de tanto estudar os produtos, ela conseguiu criar sua própria fórmula para um tônico capilar que fez com que seus cabelos deixassem de cair.

Charles era um homem que lidava com vendas de anúncios para jornais e ajudou sua esposa a divulgar sua ideia pela mídia.

Visionária, ela empregou uma série de agentes de venda, que logo conseguiram aumentar exponencialmente o número de vendas dos seus produtos, dando lucros significativos para Madame C. J. Walker e para toda a sua equipe.

De acordo com o professor Henry Louis Gates Jr., da Universidade de Harvard, os agentes de vendas de Madame Walker estavam faturando algo em torno de 5 a 15 dólares por dia, enquanto os trabalhadores brancos sem formação acadêmica faturavam cerca de 11 dólares por semana.

As vendas iniciais eram feitas de porta em porta e Sarah passava muito tempo viajando pelos Estados Unidos, até que ela finalmente conseguiu construir sua própria fábrica, em Indianapolis. Nessa fábrica, ela empregou milhares de pessoas, inclusive mulheres afro-americanas, que na época, quase não tinham oportunidades.

Como empreendedora, ela se tornou a primeira mulher americana a ficar milionária através do próprio esforço.

Madame C.J. Walker morreu aos 51 anos, em 1919.

Ações sociais

Em diversas ocasiões Sarah declarou que gostava de ser milionária pelo bem que ela poderia fazer com todo o dinheiro que havia conquistado.

Dentre suas ações sociais, nós podemos citar algumas:

  • Foi a pessoa que fez a maior doação para salvar a casa do abolicionista Frederick Douglass;
  • Doou dinheiro para pessoas, organizações, orfanatos e casas de repouso;
  • Doou 10 dólares, todos os anos, para a educação de homens e mulheres negras;
  • Encorajou o engajamento político de seus funcionários;
  • Lutou por direitos civis;
  • Deixou, em seu testamento, parte da sua fortuna para a doação.

Fontes: http://time.com/3641122/sarah-breedlove-walker/

https://istoe.com.br/407849_REFLEXOES+SOBRE+MADAME+WALKER/

http://www.amazingwomeninhistory.com/madam-c-j-walker-self-made-millionaire/

Thaís Dias