As criptomoedas

Você pode nunca ter investido em criptomoedas e não saber ao certo como elas funcionam, entretanto é fato que esse termo já não é mais estranho para ninguém. Apesar de já existirem há alguns anos, as criptomoedas – em especial o Bitcoin – estão em evidência desde 2017 – quando elas tiveram uma valorização de mercado espetacular.

Criptomoedas são, como o nome já diz, moedas. Mas, diferente do dólar e do real, elas não existem de forma física, podendo ser usadas apenas no âmbito virtual.

Diferente das moedas usuais, elas não têm a necessidade de um terceiro membro – como um banco – para negociações e, sendo assim, acabam se tornando mais cobiçadas pela sua praticidade, segurança, rapidez e anonimato.

Entretanto, apesar de todas as suas vantagens, as moedas digitais ainda não conseguiram conquistar a confiança de toda a população mundial e, de acordo com um levantamento de dados feito pelo site Etoro, as mulheres são as que menos fazem uso dessa nova tecnologia.

A pesquisa: criptomoedas é feminino

De acordo com um estudo feito pelo site Etoro – uma plataforma de investimentos com sede em Limassol, no Chipre – somente 8,5% dos investidores de criptomoedas são do sexo feminino.

criptomoedas é feminino

criptomoedas é feminino

Os dados foram colhidos entre os meses de  março de 2017 e fevereiro de 2018, levando em consideração os seis milhões de usuários da plataforma.

A pesquisa também aponta um dado que pode ser uma justificativa para o domínio masculino na área: enquanto homens de diversas profissões começaram a investir em criptomoedas – tendo ou não conhecimento prévio sobre o assunto – as mulheres se concentram nas categorias de vendas e marketing.

Mulheres e a indústria das criptomoedas

Muitas líderes femininas já envolvidas com as criptomoedas estão trabalhando na tentativa de envolver as empreendedoras no mundo das moedas digitais.

Elas justificam a ausência feminina através de algumas características de pessoas desse sexo: como o excesso de  questionamentos a respeito da própria capacidade e o fato de que elas não gostam de arriscar. Entretanto, as investidoras fazem questão de ressaltar o fato de que, se as mulheres esperarem demais, elas ficarão para trás e permitirão que esse novo mercado seja – assim como tantos outros – dominado por homens.

Sendo assim, estão sendo feitos diversos eventos pelo mundo – muitos são no Brasil – que tem como público-alvo apenas mulheres que têm vontade de saber mais sobre as criptomoedas.

Fontes: https://btcmanager.com/women-only-account-for-8-75-of-crypto-traders-according-to-etoro-survey/

https://www.etoro.com/blog/from-the-markets/who-are-the-crypto-investors/

Thaís Dias